Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/11/20 às 11h00 - Atualizado em 9/11/20 às 11h06

Procon e ANP lacram bombas em postos de combustíveis da capital

Postos de combustíveis de Brasília foram fiscalizados em ação conjunta do Procon, vinculado à Secretaria de Justiça do Distrito Federal, e da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Durante 2 a 7 de novembro, 47 postos foram visitados e 12 autuados por irregularidades.

 

Dois postos fiscalizados foram autuados por erro na entrega do combustível ao consumidor. As bombas estavam fornecendo menos produtos que a quantidade registrada nas máquinas. Os bicos dessas bombas foram lacrados pela ANP e os postos de combustíveis foram autuados por infração pelo Procon.

 

O foco da operação foi verificar qualidade e quantidade dos produtos entregues ao consumidor, as formas de divulgação dos preços, condições de pagamento e programas de fidelidade por aplicativo. A principal irregularidade autuada pelo Procon foi em relação aos preços, que não estão divulgados de modo claro, preciso e ostensivo ao consumidor.

 

“O Procon e a ANP, de modo integrado, estão frequentemente nas ruas fiscalizando os postos de combustíveis. Em 2020, essa já é a terceira ação conjunta. A ação coordenada é importante porque cada órgão tem seu nicho de trabalho. Neste momento, o Procon está focado na questão do aumento do preço dos combustíveis, de olho para evitar abusos durante a pandemia, e também coibindo anúncios com descontos irreais”, explica o diretor-geral do Procon, Marcelo Nascimento.

 

Preço por aplicativo

 

O Procon ressalta que postos de combustíveis estão incorrendo em erro frequente ao anunciar como preço real do produto o valor com desconto válido somente para pagamento por meio de aplicativo.

 

Esses anúncios se tratam de falsas ofertas, pois o valor anunciado não é um desconto no preço. Na realidade o consumidor paga o preço cheio pelo combustível. O anúncio faz referência a cashback, a uma devolução de bônus no próprio aplicativo para o consumidor utilizar em momento posterior. Ou seja, não existe realmente o preço com desconto na bomba no momento do pagamento.

 

No anúncio, o posto deve indicar o preço real do combustível, que é o valor sem estar vinculado a pagamento por aplicativo. O preço cheio deve estar em destaque e ser ostensivo em relação ao valor para pagamento por aplicativo.

 

Deixar em destaque o preço cobrado exclusivamente para pagamento por aplicativo é ilegal, pois além da falta de informação clara e adequada, o anúncio induz o consumidor ao erro. Em 2020, 44 postos de combustíveis já foram autuados pelo Procon por anunciar em destaque, desfavorecendo o valor real, o preço do combustível para pagamento exclusivo por aplicativo.

 

O Procon ainda aponta que o posto não pode exigir que o consumidor baixe um aplicativo para realizar o pagamento do combustível. O desconto no preço pode ser oferecido exclusivamente por meio do aplicativo, mas essa informação deve ser clara e o consumidor deve saber das condições da promoção antes de abastecer o veículo.

Instituto de Defesa do Consumidor - Governo do Distrito Federal

PROCON

Venâncio Shopping - Setor Comercial Sul, Quadra 08, Bloco B-60, Sala 240 - Brasilia - DF - CEP: 70.333-900 - Telefone: 151